[ editar artigo]

Sua vida está sendo feita à mão?

Sua vida está sendo feita à mão?

Vou te contar uma história. Na verdade, vou adaptar uma que li na Bíblia feminina — mais conhecida por Mulheres que Correm com os Lobos

A história é de uma menina órfã que não tinha sapatos, por isso, guardava qualquer trapo que encontrava – até que, com o tempo, conseguiu costurar um par de sapatos vermelhos.

Eles estavam longe de ser perfeitos, mas ela os adorava.

Um belo dia, uma rica senhora passou com sua carruagem pela menina ao longo da estrada, e com pena da “maltrapilha”, a levou para sua casa, dizendo que cuidaria dela a partir daquele momento.

A senhora lhe deu banho, comida, lençóis confortáveis e roupas do mais fino trato.

“E meus sapatos?”

logo quis saber a menina.

“Ah, tudo o que você tinha eu queimei. Agora é tudo cinzas” – respondeu a senhora.

A partir daquele momento, em tudo o que a menina fazia e em onde ela estivesse, ela estava procurando por algo que se parecesse com seus sapatos vermelhos.

E de fato, uma vez os encontrou. Eram lindos! De verniz reluzente.

Apesar deste tipo de sapato não ser condizente com meninas da sua atual estirpe, ela deu um jeito de pegá-los, sem que ninguém os visse.

O começo da Vida Dupla

E assim, ela passava boa parte do tempo vivendo uma “vida dupla”. Quando estava no seu quarto, vestia os sapatos e quando tinha que ir para a rua, vestia os sapatos condiziam a uma boa menina.

Até que um dia ela não aguentou mais se esconder, e resolveu não só tirar do armário, como sair com seus sapatos vermelhos para ir à igreja.

Quando chegou na porta, havia um homem de barba ruiva que olhou seus sapatos, piscou para a menina e a partir daí, ela pôs-se a dançar.

Foi um choque para todos que estavam na igreja, ver uma menina da sociedade entrar dançando freneticamente com sapatos vermelhos em um local sagrado.

E a história termina com a menina dançando incontrolavelmente até morrer.

[Corta para vida real]

Essa história que eu mal e porcamente adaptei aqui, li no famoso “Mulheres que Correm com os Lobos” (se você mulher não leu, não passe a vida sem essa experiência).

E fiz um resumo porque o conto traça um paralelo sobre tudo àquilo que fazemos sem pretensão, com o coração, como um chamado da alma – e que de alguma forma ou por qualquer motivo (uma pessoa, situação ou a sociedade que vivemos) faz com que a gente acredite que aquilo que era nosso é algo ruim, inapropriado ou que não tem nenhum valor.

Vou falar mais sobre este assunto em outros posts, mas já para esquentar os tambores do inconsciente, que tal pensar aí com seus botões, o que foi feito com o seu par de sapatos feito à mão? Melhor!

O que na sua vida foi feito à mão?

Você queimou (escondeu) ou mostra essa parte sua?

Espero que esse post traga boas reflexões e continuamos com esse assunto em outras oportunidades. Se quiser compartilhar comigo a sua parte feita à mão, vou adorar saber!

E convide alguém para participar, compartilhando esse post.

Um grande beijo e obrigada :)

Mulher Maravilha Real
Tati Magalhães
Tati Magalhães Seguir

Achei que tinha que ser Mulher Maravilha para provar meu valor, mas descobri depois de enfrentar a depressão e transtorno de ansiedade que, meu maior poder era ser eu mesma. E esse super poder eu exerço como escritora, astróloga, taróloga e fut.psico

Ler conteúdo completo
Indicados para você